quinta-feira, 10 de maio de 2018

Lençóis de ontem e hoje


Quem passou  por Lençóis Paulista até a década de oitenta e depois nunca mais voltou, hoje não reconhece a cidade.  Até aquela época, os únicos bairros que existiam à margem direita do Córrego da Prata eram Cecap (antiga) e Cachoeirinha, os demais como Maria Luiza, Caju, Açaí, Monte Azul, João Paccola,  Príncipe e outros, nasceram bem depois dos anos 80.   
A bem da verdade, não faz muito tempo, a cidade era praticamente delimitada  pelas ruas Vinte e Oito de Abril/Machado de Assis e Avenidas Vinte e Cinco de Janeiro/Brasil.   Nas brincadeiras, dizia-se que quem morava na Avenida Brasil não vivia na região urbana.    O primeiro conjunto de residências populares erguido na cidade foi o Bela Vista, em 1968.    Para os lados da Zona Norte, os lençoenses viram nascer em meados dos anos 80 o Conjunto Maestro Júlio Ferrari, bairro que presta merecidas homenagens a grandes músicos do passado como Domingos Giovanetti, Carlos Mazetto, José Rossi, Alfredo de Oliveira Capucho e muitos outros. Mais ou menos na mesma época, foi criando na Zona Leste, o Jardim Primavera, e Núcleo João Zillo (Cecap), cujas ruas homenageiam famosos escritores brasileiros, como Orígenes Lessa, Jorge Amado, Procópio Ferreira e muitos outros. O Parque Residencial Rondon, Jardim das Nações e Nova Lençóis, na Zona Norte, contavam com esparsas moradias, hoje não há mais terrenos vagos. Já o Núcleo Luiz Zillo que nasceu no final dos anos 70, era completamente habitado.  Até mesmo o Jd. Ubirama, na Zona Oeste, no principio da década de 1970 contava com pouquíssimas casas. Apenas os bairros mais antigos como Marimbondo, Mamedina, Capoani, Biquinha, São Judas Tadeu, Nossa Senhora Aparecida e Maestra Amélia permaneceram praticamente inalterados. Até meados dos anos 80, Lençóis contava com apenas três escolas: Paulo Zillo, Virgilio Capoani e Esperança de Oliveira, além da Escola de Comércio Francisco Garrido. Atualmente há praticamente uma escola em cada bairro, e Etec, Senai, Sesi e Centro de Formação Profissional oferecem cursos profissionalizantes, e uma gama de oportunidades a quem deseja aprender uma profissão. No setor de saúde, os lençoenses contavam apenas com o atendimento do Posto da Avenida Brasil, hoje há unidades básicas em bairros estratégicos, facilitando a vida de quem depende dos serviços de saúde pública. Por essas e outras, a cidade serve de modelo para muitas de seu porte e até para grandes centros urbanos.

Pensamento:
“Se a vida te aplicar um cruzado, esquiva-te e revida com um potente direto”. BB

Nenhum comentário:

Postar um comentário